“Mindfulness – a consciência que surge quando prestamos atenção – com propósito – no aqui e agora e sem julgamentos”, Jon Kabat-Zinn. Isto é, quando temos a atitude de, voluntariamente, escolher prestar atenção conscientemente e, com uma intenção, em nossos pensamentos e em nossos sentimentos.

Assim, podemos dizer que mindfulness, ou atenção plena, é a habilidade de nos relacionarmos compassivamente, primeiramente conosco, e depois com o outro. Um relacionamento compassivo envolve amorosidade, observação e não julgamento. É o estabelecimento de um relacionamento pleno.

Dessa forma, relacionar-se é estabelecer conexão, é a relação que um indivíduo desenvolve primeiro consigo e depois com o outro. A partir do relacionamento conosco, com a nossa vida, nossos sentimentos e pensamentos, estabeleceremos as relações externas.

Quando falamos de um relacionamento pleno, nos referimos a um relacionamento inteiro, completo. E o que vem a ser completo e inteiro? Um dos significados da palavra completo é estar em sua capacidade máxima.

Portanto, ao nos relacionamos, seja conosco, num relacionamento amoroso, de amizade, de trabalho, de família será que atuamos em nossa capacidade máxima? E quando pensamos em inteiro nos referimos a estarmos mergulhados nesse relacionamento. E novamente eu pergunto, quem de nós se sente inteiro em suas relações?

O estado de atenção plena faz com que estejamos inteiros, no presente. Dedicados inteiramente em apenas uma ação. E estar presente é se manter no agora, no exato momento e lugar onde se está, estando consciente dos próprios pensamentos, sensações e sentimentos, sem categorizá-los em bom ou ruim.

Estar presente é conectar-se com o estado de presença no aqui e agora. Sem desgastes emocionais com o passado que passou e com o futuro que ainda virá. Ao desenvolvermos a capacidade de nos manter no presente, deixamos de entrar em embate com o que já foi e com o que virá.

Assim, do passado, podemos extrair apenas os aprendizados e para o futuro podemos apenas planejar nossos sonhos e estabelecer metas, mas é no presente que iremos construir nossas ações reais.

O cultivo da atenção plena nos trás inúmeros benefícios, conheça alguns:

  • Ampliação da consciência – conhecimento dos próprios pensamentos e sentimentos;
  • Aumento da capacidade de foco e concentração;
  • Capacidade de prestar atenção em uma tarefa por vez;
  • Desenvolvimento da inteligência emocional;
  • Controle do estresse e da ansiedade;
  • Regulação do sono.

 

Dessa forma, a partir da atenção plena, podemos desenvolver melhores relações, conosco, primeiramente, pois estaremos mais conscientes de nossas emoções para então poder entender o outro e estabelecermos relacionamentos mais saudáveis a partir da empatia, do respeito e da gentileza.

Venha participar do Círculo de Leitura e Meditação.